Mês: abril 2018

Joias: um fascínio que acompanha a evolução do ser humano

Joias: um fascínio que acompanha a evolução do ser humano

Desde a época das cavernas o ser humano começou a desenvolver um curioso hábito: adornar o corpo. Além de precisarem se proteger dos perigos da natureza ou se aquecer nos dias mais frios, muitos queriam também se sentir bonitos e chamativos!

Assim, sumo de frutas, barro, carvão e até sangue de animais viravam tintas para enfeitar seus corpos. Ossos, dentes, pedras, conchas, sementes e pedaços de plantas começaram a ser usados como colares, brincos e pulseiras e tornozeleiras. Pronto! Surgiam as primeiras joias!

De lá pra cá homens e mulheres desenvolveram habilidades, descobriram metais e aprimoraram seu bom gosto. As joias tem sido, ao longo da história, símbolo de requinte, status e poder.

Imagine você que o ouro é utilizado há mais de seis mil anos!

Egípcios

Em diversas culturas, as joias representam também proteção divina. No Egito antigo (3500 a.C.), por exemplo, demonstravam as crenças e a devoção de quem as usava. Peças lapidadas em formato de animais mitológicos, como escaravelhos, dragões e serpentes carregavam grande simbologia.

A característica mais marcante das joias egípcias é o colorido, obtido graças à utilização de minérios como o feldspato e o lápis-lazuli.

Em nossas próximas postagens, vamos viajar um pouco mais nesta aventura de conhecer a história das joias. Não deixe de acompanhar! Vem com a gente…